Karaté

Karateca algarvio recorre ao crowdfunding para garantir participação no Mundial

Karateca algarvio recorre ao crowdfunding para garantir participação no Mundial

Diogo Sousa é campeão, individual e em equipa, de karaté na especialidade de kumité em 2016

Diogo Sousa, atleta do Karaté Clube de Faro, está entre os quatro atletas convocados para o Campeonato do Mundo de cadetes, juniores e sub-21, que se realiza no fim de outubro, em Tenerife, mas os constrangimentos financeiros levaram-no a recorrer ao crowdfunding como a última esperança para garantir a participação na prova.

“Queria pedir o vosso apoio para que eu possa seguir este sonho”, refere o jovem campeão, individual e em equipa, de karaté na especialidade kumité em 2016, no vídeo partilhado na página de angariação de fundos, onde, em conjunto com o pai, explica as razões para que todos contribuam para a causa que “já deu muito trabalho”.

“Este pedido de ajuda é fundamentado pelos constrangimentos económicos da Federação Nacional de Karaté-Portugal (FNK-P), uma vez que, aos atletas convocados, esta não comparticipa economicamente para que possam participar nos trabalhos da Seleção Nacional, estando as deslocações, o alojamento, a alimentação e o equipamento inteiramente a cargo do atleta”, explica Diogo Sousa na página da iniciativa.


Ainda que, segundo a FNK-P, a participação no Campeonato do Mundo não custe menos de 1.800 euros, o objetivo da campanha, que está ativa até ao dia 25 de outubro, era a angariação de 700 euros, montante que já foi largamente ultrapassado a duas semanas do último dia.

Contactada pelo Algarve Desporto, a FNK-P reconhece o esforço feito pelos pais mas garante que “não tem absolutamente verba alguma para apoiar nenhum atleta no Campeonato do Mundo”, uma vez que o valor de 150 mil euros, a receber este ano, proveniente de verbas do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), ainda não foi disponibilizado à entidade.

“O que está neste momento na mesa é: se o IPDJ nos pagar entretanto nós custeamos 40% das deslocações e, independentemente de recebermos esse dinheiro ou não, nós propusemos aos atletas uma participação por objetivos, ou seja, ao primeiro lugar é restituído todo o valor [gasto no campeonato], ao segundo é restituído 50% do valor e ao terceiro 30%. Mas neste momento não temos dinheiro nenhum na conta”, explicou Carlos Silva, presidente da federação.

Entretanto – e porque “os patrocínios são muito difíceis de conseguir” – o Diogo terá mesmo de contar com o dinheiro angariado através da campanha criada na plataforma online PPL para representar o país e a região nesta prova mundial. O apoio pode ser feito com a contribuição de 5, 25 ou 100 euros, sendo que a última opção inclui o reconhecimento público nas redes sociais com partilha de uma fotografia do apoiante e do atleta, a partilha de uma fotografia promocional com o logótipo da empresa e do promotor, a oferta de uma exibição de karaté com a participação de Diogo Sousa, entre outros karatecas, ou ainda um workshop de defesa pessoal ministrada pelo mestre e pai do atleta Luís Filhó Sousa (3º Dan).


Mais de Karaté