Ciclismo

BMC e Trek-Segafredo na máxima força para a Volta ao Algarve

BMC e Trek-Segafredo na máxima força para a Volta ao Algarve

A Trek-Segafredo surge com dois ciclistas que podem lutar pelos lugares cimeiros

As equipas World Tour BMC Racing Team e Trek-Segafredo vão apresentar-se na 44ª Volta ao Algarve, que se corre de 14 a 18 de fevereiro, “recheadas de estrelas e com formações capazes de bater-se pela classificação geral e por cada uma das etapas”, refere a organização da ‘Algarvia’ no site da prova.

O australiano Richie Porte, vencedor da Volta ao Algarve em 2012 e primeiro no alto do Malhão nesse ano e em 2015, é o cabeça de cartaz da BMC Racing Team, chegando a Portugal depois de “um excelente Tour Down Under”, no qual se impôs na etapa rainha e terminou em segundo na geral, com o mesmo tempo do vencedor.

O chefe de fila da BMC estará bem acompanhado. A seu lado terá Tejay van Garderen, “dono de um palmarés de respeito que, na época passada, foi enriquecido com lugares de destaque em provas World Tour”: quinto na Volta à Catalunha, sexto na Volta à Romandia e nono na Volta à Suíça. Tejay van Garderen também já brilhou no Algarve, contando com três top10 na geral, incluindo a segunda posição em 2011.

O belga Dylan Teuns também está escalado, procurando dar seguimento ao bom ano de 2017, durante o qual alcançou vitórias na geral da Volta à Polónia, Artic Race Norway e Tour de Wallonie.

O australiano Simon Gerrans será a aposta da BMC para as etapas com final ao sprint, enquanto o suíço Stefan Kung, campeão helvético de contrarrelógio e vice-campeão de fundo, vai ter o contrarrelógio de Lagoa em ponto de mira. Os belgas Jurgen Roelandtse Loïc Vliegen fecham as escolhas da BMC para a Volta ao Algarve.

A lista provisória de inscritos da Trek-Segafredo não fica atrás, deixando claro que o coletivo sediado nos Estados Unidos da América pode visar a classificação geral e ainda bater-se por cada uma das tiradas.

A Trek-Segafredo surge com dois ciclistas que podem lutar pelos lugares cimeiros: o campeão português de fundo, Rúben Guerreiro, que recentemente foi o nono classificado no Tour Down Under, e o holandês Bauke Mollema, chefe de fila da equipa para a próxima Volta a França e que em 2017 se colocou no top10 final em seis prova do World Tour, Abu Dhabi (4º), Tirreno-Adriatico (9º), Giro (7º), Clássica de San Sebastian (3º), GP de Montréal (5º) e Tour de Guangxi (2º), além de ter triunfado na Vuelta a San Juan.

No contrarrelógio de Lagoa, a Trek-Segafredo conta com dois especialistas de créditos firmados para tentar o triunfo de etapa, o austríaco Matthias Brändle e o campeão irlandês de fundo e de contrarrelógio Ryan Mullen, vencedor, nesta terça-feira, do exercício individual da Vuelta a San Juan.

Os homens de clássicas John Degenkolb, Jasper Stuyven e Gregory Rast também estão pré-convocados para a Volta ao Algarve, e “os dois primeiros são suficientemente rápidos para tentar erguer os braços nas etapas que venham a terminar ao sprint”, conclui a Federação Portuguesa de Ciclismo.


Publicidade

A nossa newsletter

Publicidade

Siga-nos no Facebook

Mais de Ciclismo