Ciclismo

Volta ao Algarve é o primeiro grande teste para estrelas mundiais

Volta ao Algarve é o primeiro grande teste para estrelas mundiais

A prova arranca esta quarta-feira em Albufeira

A 44ª Volta ao Algarve, que se realiza entre esta quarta-feira e domingo, será o primeiro grande teste da nova temporada para muitas estrelas do ciclismo mundial.

PUBLICIDADE

O australiano Richie Porte, chefe de fila da BMC Racing Team para a Volta a França e vencedor da Volta ao Algarve em 2012, é um dos corredores que encara a corrida portuguesa com expectativa. “Estou ansioso para voltar a competir. Como venho de correr na Austrália e esta é a minha primeira corrida na Europa, quero ter alguns bons dias de competição nas pernas e adaptar o organismo às temperaturas europeias. Temos uma equipa forte e poderemos jogar várias cartas em diferentes etapas”, avisa Richie Porte, citado no site da organização.

Uma dessas “cartas” é o estadunidense Tejay van Garderen, que terá na Volta ao Algarve a primeira prova de 2018. “A preparação de inverno foi muito boa. Estou muito motivado para começar em força a nova temporada. O Richie Porte será o líder para a corrida, mas estando ambos em forma podemos jogar com isso. Já corri esta Volta cinco vezes e terminei no pódio em 2011. Portanto, sei bem com o que contar”, diz o lugar-tenente de Porte na BMC.

A lista de adversários da equipa sediada nos Estados Unidos é alargada e alguns também já avisaram que não estarão em Portugal apenas para somar quilómetros. O galês Geraint Thomas (Team Sky), vencedor da Volta ao Algarve em 2015 e em 2016, está neste lote. “Estou a começar a época de forma mais lenta do que no passado, mas senti-me num momento de forma decente durante os treinos. Vou ao Algarve para lutar pelo melhor resultado possível”, confessa o corredor que irá partilhar o comando da Sky com o polaco Michal Kwiatkowski, vencedor da ‘Algarvia’ em 2014.

“Tenho boas memórias desta corrida, que é um bom evento. Há dois dias duros e um contrarrelógio, pelo que é uma boa maneira de começar a época. O clima, geralmente, é muito bom. Kwiatkowski também estará presente, espero que estejamos em boa forma para fazer algo”, conclui Geraint Thomas.

O campeão luxemburguês de fundo, Bob Jungels (Quick-Step Floors), vai estrear-se na Volta ao Algarve, mas tem um currículo de respeito, que inclui dois top10 no Giro de Itália. No ano em que troca a corrida transalpina pela chefia da Quick-Step Floors no Tour, escolheu a Volta ao Algarve para o primeiro grande teste do ano.

“Vai ser a minha primeira vez na Volta ao Algarve mas não participo apenas com o objetivo de ganhar forma. Vou aproveitar todas as oportunidades. Sinto-me bem e olhando para o percurso acho que é uma corrida que me assenta bem. Ainda não sei se poderei lutar pela classificação geral, porque estamos numa fase muito precoce da temporada. No entanto, tendo em conta o que fiz em Múrcia, a minha forma é boa e isso é o mais importante”, exclama Bob Jungels.

Os diretores desportivos sabem que a Volta ao Algarve é perfeita para que os seus principais corredores afinem pormenores para enfrentar os principais objetivos do ano. Foi por isso que a BMC Racing Team decidiu regressar à corrida portuguesa, após cinco anos de ausência. “É uma boa corrida para avaliar a forma dos ciclistas no início da temporada. Apresentamo-nos com uma equipa forte, que inclui o ex-vencedor Richie Porte, e Tejay van Garderen. Será a primeira prova de Richie após as corridas australianas e o arranque de época para Tejay, que vem de um estágio em altitude. É a corrida perfeita para preparar o Paris-Nice e o Tirreno-Adriático e para testar a condição dos corredores”, explica o diretor desportivo, Fabio Baldato.

“Após a segunda etapa, com a chegada à Fóia, já teremos uma ideia de como a corrida estará a desenrolar-se. A partir daí vamos encarar as coisas dia a dia”, anuncia o responsável técnico pela BMC Racing Team.

A Volta ao Algarve é uma corrida internacional de classe 2.HC, o segundo nível mundial, apenas suplantado pelo World Tour. A corrida será disputada por um pelotão de 175 corredores, representando 25 equipas. Treze dos coletivos são do World Tour, três são da segunda divisão internacional (categoria Continental Profissional) e nove são as equipas portuguesas, de categoria continental.

A Volta ao Algarve terá transmissão em direto em 120 países de todos os continentes, podendo ser vista em Portugal através da TVI24 e da Eurosport 2. O grande nível desportivo faz da Volta ao Algarve um dos melhores eventos desportivos organizados em Portugal, estando acreditados mais de cem profissionais de comunicação para cobrir a edição de 2018.

Clique aqui para conhecer as camisolas de todas as equipas que vão estar a partir desta quarta-feira na estrada para a 44ª Volta ao Algarve.

Etapas

14 de fevereiro: 1ª etapa: Albufeira (12.05 horas) – Lagos (17 horas), 192,6 quilómetros

15 de fevereiro: 2ª etapa: Sagres (12.10 horas) – Fóia (Monchique) (17 horas), 187,9 quilómetros

16 de fevereiro: 3ª etapa: Lagoa (13 horas) – Lagoa (17 horas), 20,3 quilómetros (CRI)

17 de fevereiro: 4ª etapa: Almodôvar (12 horas) – Tavira (17 horas), 199,2 quilómetros

18 de fevereiro: 5ª etapa: Faro (12.25 horas) – Malhão (Loulé) (17 horas), 173,5 quilómetros


Mais de Ciclismo